Campinas testa sistema para eliminar pagamento com dinheiro nos ônibus

262

Medida ocorre após MPT cobrar fim da dupla função feita pelos motoristas.Usuário pode usar código de barras impresso em papel dentro de coletivos.

Sistema com QR Code começou a ser testado em Campinas nesta sexta (Foto: Transurc)Sistema com QR Code começou a ser testado em Campinas nesta sexta (Foto: Transurc)

Campinas (SP) começou a testar, nesta sexta-feira (20), o sistema que usa um código de barras impresso em papel para tentar eliminar pagamento da tarifa de ônibus com dinheiro, nas linhas municipais. A medida ocorre após cobrança do Ministério Público do Trabalho (MPT) para fim da dupla função exercida pelos motoristas, em virtude das demissões de 1,2 mil cobradores.

Segundo a Emdec, empresa responsável pela gestão do trânsito na cidade, o bilhete com QR Code (código de resposta rápida, na sigla em inglês) custa R$ 4,50 e não permite integração. O período de avaliações ocorre até 28 de fevereiro em veículos da empresa Pádova, que atende aos usuários dos distritos de Sousas e Joaquim Egídio. Veja abaixo as linhas com recurso.

A venda das passagens serão realizadas em três lojas credenciadas pela Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), em Sousas, e por monitores em pontos de embarque do distrito. O bilhete tem validade de sete dias, a partir da emissão.

Os pagamentos com dinheiro nos coletivos continuam permitidos, informou a Emdec. Antes disso, o MPT havia estabelecido um acordo voluntário com representantes das empresas para que, até outubro de 2016, fosse eliminada a circulação de dinheiro. Em audiência, entretanto, houve concessão de novo prazo para que o impasse fosse solucionado em definitivo.

Linhas com
QR Code
Percurso
300 Sousas /
Terminal Barão Geraldo
390 Joaquim Egídio
391 Nova Sousas
392 San Conrado
393 Cabras / Estação Sousas
394 Parque Jatibaia
396 Sousas
398 Fazenda Espírito Santo /
Estação Sousas

Histórico
A saída dos cobradores é consequência do projeto para extinguir o dinheiro nos ônibus, iniciado em outubro de 2014. Porém, as cédulas e moedas não deixaram de ser aceitas nos coletivos nas viagens.

Durante oito meses, houve venda de bilhetes eletrônicos dentro dos veículos e, em junho de 2015, o pagamento voltou a ser recebido. Naquele mês, o MPT começou a investigar a dupla função exercida pelos motoristas e solicitou esclarecimentos.

À época, o sindicato das empresas (Setcamp) alegou que a maioria dos usuários usava o Bilhete Único e a Emdec reforçou que os motoristas eram orientados a não receber com ônibus em circulação.

Entretanto, o procurador Silvio Beltramelli Neto constatou em diligências que a média de cobranças feitas por viagem é superior à quantidade alegada pelas empresas, e há risco de acidentes.

Orientações
Segundo a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano (Transurc), 700 dos 1,2 mil cobradores demitidos foram reaproveitados em novas funções, e os demais desligados.

“Só não foi possível quantidade maior [reaproveitamento] porque parte dos ex-colaboradores decidiu sair das empresas e, por conta disso, optaram por fazer acordos”, informa texto

Fonte: G1 – Campinas testa sistema para eliminar pagamento com dinheiro nos ônibus – notícias em Campinas e Região