Campinas testa sistema para eliminar pagamento com dinheiro nos ônibus

0
198

Medida ocorre após MPT cobrar fim da dupla função feita pelos motoristas.Usuário pode usar código de barras impresso em papel dentro de coletivos.

Sistema com QR Code começou a ser testado em Campinas nesta sexta (Foto: Transurc)Sistema com QR Code começou a ser testado em Campinas nesta sexta (Foto: Transurc)

Campinas (SP) começou a testar, nesta sexta-feira (20), o sistema que usa um código de barras impresso em papel para tentar eliminar pagamento da tarifa de ônibus com dinheiro, nas linhas municipais. A medida ocorre após cobrança do Ministério Público do Trabalho (MPT) para fim da dupla função exercida pelos motoristas, em virtude das demissões de 1,2 mil cobradores.

Segundo a Emdec, empresa responsável pela gestão do trânsito na cidade, o bilhete com QR Code (código de resposta rápida, na sigla em inglês) custa R$ 4,50 e não permite integração. O período de avaliações ocorre até 28 de fevereiro em veículos da empresa Pádova, que atende aos usuários dos distritos de Sousas e Joaquim Egídio. Veja abaixo as linhas com recurso.

A venda das passagens serão realizadas em três lojas credenciadas pela Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), em Sousas, e por monitores em pontos de embarque do distrito. O bilhete tem validade de sete dias, a partir da emissão.

Os pagamentos com dinheiro nos coletivos continuam permitidos, informou a Emdec. Antes disso, o MPT havia estabelecido um acordo voluntário com representantes das empresas para que, até outubro de 2016, fosse eliminada a circulação de dinheiro. Em audiência, entretanto, houve concessão de novo prazo para que o impasse fosse solucionado em definitivo.

Linhas com
QR Code
Percurso
300 Sousas /
Terminal Barão Geraldo
390 Joaquim Egídio
391 Nova Sousas
392 San Conrado
393 Cabras / Estação Sousas
394 Parque Jatibaia
396 Sousas
398 Fazenda Espírito Santo /
Estação Sousas

Histórico
A saída dos cobradores é consequência do projeto para extinguir o dinheiro nos ônibus, iniciado em outubro de 2014. Porém, as cédulas e moedas não deixaram de ser aceitas nos coletivos nas viagens.

Durante oito meses, houve venda de bilhetes eletrônicos dentro dos veículos e, em junho de 2015, o pagamento voltou a ser recebido. Naquele mês, o MPT começou a investigar a dupla função exercida pelos motoristas e solicitou esclarecimentos.

À época, o sindicato das empresas (Setcamp) alegou que a maioria dos usuários usava o Bilhete Único e a Emdec reforçou que os motoristas eram orientados a não receber com ônibus em circulação.

Entretanto, o procurador Silvio Beltramelli Neto constatou em diligências que a média de cobranças feitas por viagem é superior à quantidade alegada pelas empresas, e há risco de acidentes.

Orientações
Segundo a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano (Transurc), 700 dos 1,2 mil cobradores demitidos foram reaproveitados em novas funções, e os demais desligados.

“Só não foi possível quantidade maior [reaproveitamento] porque parte dos ex-colaboradores decidiu sair das empresas e, por conta disso, optaram por fazer acordos”, informa texto

Fonte: G1 – Campinas testa sistema para eliminar pagamento com dinheiro nos ônibus – notícias em Campinas e Região