Berra Vaca

492

O final de semana se dá pacato e dentro da ordem em Barão Geraldo. Neste sábado, 22/08, ocorreria mais uma edição da Picareta Berra-Vaca a partir das 23 horas, evento realizado pelo bloco de carnaval Berra Vaca. O ministério público, no entanto, aceitou o pedido do tenente coronel do 8ª Batalhão da Polícia Militar e proibiu a realização do evento, conforme noticiou O Jornal de Barão.

É a segunda vez que o promotor Valcir Kobori impede a fuzarca em Barão. No ano de 2014 a Picareta que seria realizada em 13 de Setembro também foi barrada por ele.

Diante da violência policial, já vista inclusive em outros carnavais em Barão Geraldo, acerta o magistrado. Em 2014 foi marcante a participação do bloco “passando a borracha”, que provocou verdadeira folia na região. Folionas e foliões surpreenderam-se com bombas e sprays um pouco diferentes daquelas que costumam ver no carnaval.

Ainda que louvável a preocupação com a segurança do cidadão, o Promotor não parece muito familiarizado com a concepção de carnaval de rua. Na nota emitido pelo MP lê-se:

“O local a ser utilizado para a realização do evento, ruas e praças públicas, não é adequado para a realização de qualquer encontro desta natureza”.

Sabe-se que Barão Geraldo conta com outros blocos de carnaval além deste Berra Vaca. Beeiro, União Altaneira, Cupinzeiro, Caxeirosas, Zé Coquinho, Maracatucá, Ferradura, Flautins-Matuá, Jegue Gerso, Faz Farra e Sonhos Havaianos e Black Bloco do Sousa também integram as festas da região. Se as próprias ruas não são consideradas adequadas para a saída dos blocos, estaria o poder público sugerindo que seria o momento de Barão Geraldo dispor de seu próprio sambódromo?

Ainda de acordo com a nota do MP, contudo, o bloco Berra Vaca não é reconhecido como manifestação cultural tradicional pelos próprios moradores do bairro. Diante de uma compreensão densa como espuminha spray do que seja um carnaval de rua, parece difícil exigir do poder público que entenda o que é uma “manifestação cultural tradicional” ou mesmo o que são os “moradores de Barão Geraldo”.

Que esta sambada não ponha a perder a tentativa das autoridades de promover um carnaval melhor para Barão.  É evidente que as depredações e saques ocorridos durante a realização de outras festas carnavalescas são um problema e que é importante a existência de medidas que impeçam que isso ocorre de novo. Diante deste cenário, a decisão de impedir a saída de um bloco de carnaval ao invés de se aprimorar a extensão e qualidade da segurança pública sugere que o verdadeiro problema reside na existência desta última.

Fonte: berra vaca | The Barão Heraldimage