Acusado por assassinato de aluno da Unicamp será levado a júri em agosto

353

André Ricardo de Souza Motta será julgado por morte de Denis Casagrande.Vítima, de 21 anos, morreu após ser esfaqueado durante festa no campus.

Pais de Denis Casagrande, durante audiência no Palácio da Justiça de Campinas (Foto: Fernando Pacífico / G1 Campinas)Pais de Denis Casagrande, durante audiência no Palácio da Justiça (Foto: Fernando Pacífico / G1)

O juiz da 1ª Vara do Júri de Campinas (SP), José Henrique Rodrigues Torres, marcou para 11 de agosto o julgamento de André Ricardo de Souza Motta, um dos três acusados de participação noassassinato do estudante de engenharia Denis Papa Casagrande, de 21 anos, em setembro de 2013. A vítima foi esfaqueada durante festa no campus da Unicamp, no distrito de Barão Geraldo.

Segundo o magistrado, a sessão tem início previsto para as 9h, no Palácio da Justiça. A expectativa é de que estejam presentes pelo menos dez testemunhas de acusação e defesa.

Motta e os outros dois réus do processo, Maria Tereza Peregrino e Anderson Marcelino Ferreira Mamede, são acusados por homicídio triplamente qualificado. Para o Ministério Público, houve motivo fútil, cruel e recurso que dificultou a defesa do aluno, atingido no coração.

“Todos os denunciados gritavam que ele [vítima] merecia morrer. O crime foi cometido por motivo fútil, simplesmente porque os denunciados imaginaram que a vítima pudesse ter importunado Maria Tereza, quando urinava”, informa denúncia feita pelo promotor Fernando Vianna Neto.

Motta responde ao processo em liberdade. O G1não conseguiu contato com advogado dele até a publicação desta reportagem.

Em setembro de 2014, o defensor Artur Eugênio Mathias alegou que o acusado não tinha relação com os outros dois réus, e não participou de nenhum tumulto. Porém, este advogado não atua mais neste caso.

Denis cursava o segundo ano de engenharia de controle e automação. A família é de Piracicaba (SP) e, segundo o advogado dos pais de Denis, todos esperam condenação de Motta.

“Nossa expectativa é pelo reconhecimento do pedido feito pelo Ministério Público e que o André seja punido pelo homicídio triplamente qualificado. Acreditamos que, com as provas, os jurados vão reconhecer a participação do André no crime de homicídio”, informou Willey Sucasas.

Investigações
Segundo a Polícia Civil, a vítima foi esfaqueada após ser confundido com outro jovem que teria assediado Maria Tereza, à época integrante de um grupo autodenominado “anarcopunk”. Ela confessou ter dado a facada em Casagrande, mas alegou legítima defesa e disse ainda ter sido agarrada pelo estudante. A versão foi rechaçada por investigadores após análise de provas.

Os réus Maria Tereza e Anderson Mamede, após sessão no Palácio da Justiça de Campinas (Foto: Fernando Pacífico / G1 Campinas)Os réus Maria Tereza e Anderson Mamede, após
sessão no Palácio da Justiça  (Foto: G1 Campinas)

Maria foi indiciada como autora do crime, e o namorado dela, Anderson Mamede, como coautor, já que ele admitiu ter agredido com golpes de skate a vítima, quando ela tinha sido atingida pela faca. André Ricardo de Souza Motta também foi apontado como coautor do crime durante as apurações.

“Embora a facada tenha sido dada por Maria, nós entendemos que as agressões dos outros envolvidos impediram que as testemunhas chegassem até Dênis […] para socorrê-lo. Além do linchamento, havia punks ao redor da vítima rodando correntes para impedir a aproximação das pessoas”, explicou à época o delegado do caso, Rui Pegolo.

À espera
A data para julgamento de Maria Tereza e Anderson Mamede é incerta, uma vez que o Tribunal de Justiça do estado (TJ-SP) ainda avalia os recursos apresentados pelos defensores para definir se mantém a decisão de levar os réus a júri popular. Ambos cumprem prisão preventiva.

O advogado de Maria, Felipe Ballarin Ferraioli, afirmou que espera por um desfecho do caso até dezembro. Defensor de Anderson Mamede no processo pelo menos até setembro de 2014, Alessandro Santana de Carvalho não foi localizado até a publicação desta reportagem.

Fonte: G1 – Acusado por assassinato de aluno da Unicamp será levado a júri em agosto – notícias em Campinas e Região